domingo, 17 de outubro de 2010

O Vazio das Horas


O Vazio das Horas


Fiquei horas ali...
Olhando o vazio
Vendo o tempo passar
Ouvia passarinhos cantando...
Barulho das folhas
Sentindo o vento.

Incapaz de mover-me
Totalmente perdida em lembranças.
Apenas lágrimas corriam
Livres, leves.
A noite surgia e eu continuava ali.
O azul límpido cobria-se de negro...
Ventava muito e (ele) parecia furioso
Batia e entrava em mim
Como se pudesse fazer algo...
Nada...
Eu continuava ali, inerte.
Tempestade formava-se rapidamente,
(mas parecia tão distante...)
Em fúria, molhava e colava minha seda no corpo
Sentia calafrios.
De repente, senti um calor próximo...
Prendendo meus braços...
Aquecendo meu corpo...
Nesse momento, fechei os olhos
E me deixei possuir.


Ana €!¡sa
17-10-2010
20h03